Cancro e alimentação | Terapia nutricional
Cancro e alimentação

O cancro e a alimentação devem andar de mãos dadas para permitir ativar o sistema imunológico e enfrentar as complicações associadas ao cancro, tais como perda de apetite, alteração do paladar, distúrbios gastrointestinais, dor, mudanças de humor etc.

Todas as pessoas têm células cancerígenas no corpo. Essas células não são vistas em exames regulares até que se multipliquem em milhões de células. As células cancerígenas aparecem de 6 a 10 vezes na vida das pessoas. Contudo, quando o sistema imunológico de uma pessoa é forte, as células cancerígenas são destruídas e a multiplicação e a formação de tumores serão impedidas.

No entanto, quando uma pessoa desenvolve cancro, o risco de deficiência nutricional aumenta, agravado por diferentes razões genéticas, ambientais ou pelo seu estilo de vida.

Uma em cada 8 mulheres terá cancro da mama ao longo da vida. Segundo o AICR, Instituto Americano de Investigação sobre o Cancro, 33% desses casos poderiam ser evitados com uma boa alimentação e amamentação. Porém, existe o consenso de que 70% dos casos poderiam ser prevenidos com uma alimentação abundante em frutas e vegetais da época, prática de exercício físico, uma boa gestão do stress e evitando hábitos tóxicos, como excesso de sal, álcool  ou tabaco.

 

Cancro e alimentação | Terapia nutricional

A mudança de alimentação é muito importante para restabelecer as defesas e lidar com as terapias (quimio, radio ou cirurgia) que geram uma grande toxicidade num organismo já debilitado.

Foi demonstrado que as células cancerígenas proliferam num ambiente ácido e anaeróbico; portanto, a terapia nutricional é baseada em:

  • (1) Evitar os alimentos que geram acidez (vinagre, excesso de limão, frutas muito ácidas ou muito maduras, café, chá, refrigerantes…).

  • (2) Retificar o pH em casos agudos, adicionando 1 colher de sopa de bicarbonato em água duas vezes por semana. Uma forma preventiva seria beber, no pequeno-almoço, todos os dias, um copo de água com algumas gotas de limão (embora seja um ácido orgânico fraco, quando diluído gera um tampão de citrato que alcaliniza o pH interno).

  • (3) Estimular a oxigenação celular fazendo exercício físico diariamente ao ar livre e respirando profundamente. É uma grande ajuda, pois as células cancerígenas não conseguem viver em ambiente oxigenado.

Cancro e dieta recomendada

É importante comer devagar e mastigar bem cada pedaço de comida, pelo menos 6 vezes, para extrair todo o potencial nutricional dos alimentos.

Deve basear a sua dieta para o cancro no consumo de pescado, frango, bebida de soja, frutos secos e vegetais abundantes, cozidos a vapor ou crus, para manter as suas enzimas, vitaminas e minerais.

Prato coerente. regra do prato. Cancro e alimentação

Faça 5 ou 6 refeições por dia, seguindo a regra do prato no almoço e no jantar.

A ingestão de sumo de Aloe Vera protege as mucosas e fornece minerais como cálcio, sódio, ferro, potássio, magnésio, crómio, zinco, manganésio e cobre e, além disso, vitamina A, B e C e ácido fólico, além de vestígios de vitamina B12. O que o torna um verdadeiro cocktail antioxidante.

Para além disso, o cancro tem um forte componente inflamatório que geralmente é acompanhado por resistência à insulina. A suplementação com ómega-3 é benéfica nestes pacientes, devido à diminuição da inflamação, à melhoria da resistência à insulina e à reversão da caquexia. Também modula a carcinogénese pelo que pode ser considerado preventivo na formação de tumores e metástases. Além disso, o ómega-3 é um super-suplemento que, na dose necessária nesses casos, diminui a proliferação celular, estimula o metabolismo, o sistema imunológico e ainda possui um certo efeito equilibrador do humor.

O cancro é também uma doença da mente, do corpo e do espírito. Uma atitude mais ativa e positiva ajudará a combater a doença. A raiva, incompreensão, o não perdoar, colocam o corpo numa situação de stress e num meio-ambiente ácido, o que, como vimos, favorece a cronificação da doença. Um espírito gentil, agradecido, relaxado, com uma atitude positiva e de aproveitar a vida é muito benéfico.

Cancro e dieta. Alimentos a evitar

No seu plano de cancro e dieta, deve evitar alimentos que ativam a inflamação. Sendo o maior expoente o açúcar escondido nos alimentos. Na seguinte infografia pode ver a quantidade de açúcar presente em alimentos amplamente consumidos. Sendo por isso importante a leitura atenta dos rótulos.

Açúcar escondido nos alimentos. Cancro e alimentação

Reduza ao máximo o açúcar, os bolos, refrigerantes, cereais de pequeno-almoço muito açucarados e frutas muito maduras que desestabilizam os níveis de insulina. É preferível escolher cereais integrais e cozinhar “al dente" a massa e o arroz.

Não abuse de carnes vermelhas, cereais refinados ou óleos refinados, pois ativam a produção de ómega-6, que acelera os processos inflamatórios.

Além disso, o excesso de produtos à base de carne, como enchidos, salsichas, carne de fumeiro, hambúrgueres, produtos de charcutaria, carne enlatada, favorecem novos processos cancerígenos, de modo que, como vê, cancro e alimentação estão intimamente relacionados. A IARC classificou a carne vermelha – carne de vaca, boi, cordeiro, cabra, cabrito e porco – como um “provável" carcinogéneo.

Tratamento dietético-complicações do cancro

Se após o tratamento com quimioterapia ou radioterapia, ou mesmo após a cirurgia, aparecerem outros sintomas, como anorexia, desidratação, desgaste progressivo, perda de massa muscular, fraqueza, diminuição das defesas, síndrome da boca seca (xerostomia), diminuição da sensação de paladar (hipogeusia) ou perversão dos sabores (disgeusia), disfagia, odinofagia, má absorção, fístulas, obstrução intestinal, úlceras digestivas, hemorragia digestiva, alterações olfativas, perda de dentes, mucosite, diarreia, obstipação, estenose, náuseas, vómitos, estomatite … Entre em contacto com os nossos Nutricionistas Online para adaptar a sua dieta:

  • Modificar a textura e a consistência dos alimentos, se necessário.
  • Enriquecer os seus pratos com azeite, ovo picado, natas, maionese, etc.
  • Ter em consideração as suas preferências e aversões alimentares.
  • Ingerir os alimentos quentes ou à temperatura ambiente.
  • Evitar alimentos flatulentos, muito condimentados, com odores intensos ou carnes vermelhas.
  • Comer num ambiente calmo e relaxado.
  • O uso de suplementos nutricionais energético-proteicos é geralmente útil.
  • Dividir as refeições em 6-8/ dia.

O cancro é uma batalha que pode ser vencida, a alimentação é essencial nesses casos, coloque-se nas nossas mãos!

Pode nos seguir nas nossas redes sociais, Facebook e Instagram ou no nosso canal do YouTube para seguir todas as nossas dicas.